segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Felicidade homeopática...


     Li algures por aí um artigo curioso  da jornalista brasileira Leila Fernandes, que vem de encontro aquilo que penso. Escrevia ela sobre felicidade... felicidade homeopática! A felicidade seria então, a soma de pequenas felicidades. Pequenos momentos que vão chegando, nas palavras dela, a conta-gotas. Um pôr-de-sol aqui, um beijo ali, uma xícara de café recém-coado, um livro que a gente não consegue fechar, um homem que nos faz sonhar, uma amiga que nos faz rir... São situações e momentos que vamos empilhando com o cuidado e a delicadeza que merecem -alegrias de pequeno e médio porte e até grandes (ainda que fugazes) alegrias, escrevia ela. E bem, digo eu.
     Por vezes ficamos presos a um conceito fantasioso de felicidade que nos impede de apreciar pequenos momentos, ansiamos por abraçar o mundo, e nem percebemos o que está na palma das nossas mãos. Afinal a felicidade não é um estado mágico ou duradouro. É a tal felicidade homeopática, que se pode traduzir em momentos curtos e simples. Como estes, em modo pré-outonal...






   Encontrei no Minho esta cerveja artesanal de chocolate, do estilo Stout, e adorei. Um momento feliz. Com sabores marcantes de café, malte e chocolate, combina perfeitamente com sobremesas a base de cacau e chocolate. Uma sugestão excelente para um fim de tarde colorido já em tons que anunciam a chegada do outono. Também a anunciar o outono, vêm aí os cestos de verga cheios de castanhas, as compotas e os dias mais pequenos. As mantas axadrezadas que aconchegam as noites mais frias, o chá quente a substituir os gelados e os refrescos. Claro que gostamos do Verão e coisa e tal... Mas também é bom entrar na nova estação, quanto a mim mais cosy e confortável.
 Se está para aí virado, pegue nestas ideias, troque-as  por momentos felizes e comece já hoje a contabilizar, ainda que a conta-gotas, pequenos momentos de felicidade...






   Uma boa semana para todos!


  Manuela



segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Saudade...


     O dia amanheceu cinzento, quase encimesmado,  em jeito de abalada. É o fim das férias. Os que deixamos para trás ficam numa espécie de mutismo  cruciante. Faltam-lhes os netos, os filhos, os sobrinhos e os amigos. Nós, estamos prontos para a partida, com a certeza de que muito em breve regressaremos com a mesma vontade e entusiasmo de sempre! E, reproduzindo Carlos Drummond de Andrade, não importa a distância que nos separa, se há um céu que nos une...

Mas falar de regresso é também falar de reencontros. Reencontro de rotinas, do trabalho e das horas que agora se querem pontuais. É inevitável!
E com o regresso, o Cem Manias vai também voltar às suas publicações semanais. Ou dito de outra forma, às suas manias...

   











     Até já!


     Manuela



sábado, 12 de agosto de 2017

As flores da avó...

    Com um pé cá e outro lá,  já a antecipar o regresso a casa,  vamos aproveitando os últimos dias de praia. Muitos mergulhos no mar, a pele dourada pelo sol a pedir uma certa calmia, e o café matinal servido em loiça que passou décadas em clausura na cristaleira. Porque na casa da avó a tradição ainda é o que era, a decoração é feita de aconchegos, com pratos e pratinhos, rendas e bordados, e com flores que entram pela casa dentro. Sim, porque a avó tem flores e plantas everywhere!
     Não importa quanto o tempo passe, mas a casa da avó continua a ser um dos lugares mais especiais do mundo! Tem móveis centenários e fotos da família inteira espalhadas por todo lado, desde fotografias da bisavó, dos tios e dos primos, dos netos e até do tetravô... Tem cadeiras de baloiço e loiças guardadas a sete chaves. E tem sempre muitos doces e amor para nos receber.











    Até já!

   Manuela

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Açores e os meus amores...

     De férias com a minha gente! 
     Regressar aos Açores é sempre um entusiasmo enorme. Abraçar mais uma vez a família que aqui criei é de certo modo regressar a um ninho de aconchego e afectos que me faz sentir parte integrante deste ambiente. Depois, partir à descoberta destas ilhas é conhecer recantos magníficos. Altas falésias, caminhos floridos, o transparente silêncio de bucólicas pastagens sem fim, o intenso azul do mar, muito sol, praia... É nesta simbiose de contrastes que as férias nunca chegam para fazer tudo aquilo que gostaríamos de fazer. É também este o motivo pelo qual o Cem Manias tem andado a passo de caracol... 


* Ilhas do Faial, Pico e São Jorge.


















   
     Até já!

    Manuela



quinta-feira, 13 de julho de 2017

"Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és. Saiba eu com que te ocupas e saberei no que te poderás tornar"- Johann Wolfgang,





     E quando os amigos dos nossos filhos  resolvem acampar cá em casa?!
 Chegaram com vontade de aproveitar tudo o que a Natureza tem para lhes oferecer, e sem mais, instalaram-se por ali e por acolá, com toda a energia própria dos adolescentes. Foi um tal montar de tendas, com tamanha animação que até o Cem Manias teve de registar alguns desses momentos!
Estas relações de afecto, que o meu filho mais novo desenvolve com estes amigos constituem algo de muito especial. Ao mesmo tempo que permitem que todos eles desenvolvam características pessoais para a vida adulta, também irão interferir certamente no processo de escolhas que a vida lhes vai impor. Estes amiguinhos, desempenham na vida do meu filho um papel complementar ao da própria família, ajudam no seu desenvolvimento, e fico tão feliz por isso! Tenho para mim que estas relações de amizade durante a infância e adolescência são importantes sinalizadores de um ajustamento bem-sucedido na vida adulta. E já agora, se eu pudesse escolher os amigos do meu filho, escolheria estes sem dúvida! Numa época em que as amizades entre os jovens  tendem a ser mais virtuais do que "de carne e osso", que sorte que o meu filho tem em ter amigos que gostam de acampar cá em casa!

     Chegaram com as malas dos carros cheias, e com aquele olhar risonho de quem sabe que é bem vindo...




A mostrar IMG-20170710-WA0000.jpg











   
    Um bem haja para a Filipa, Inês, Sara, Marina, Pedro, Francisco e Alex!



Manuela


terça-feira, 30 de maio de 2017

Ricas cerejas...

     Por cá, vamos aproveitando ao máximo o espaço lá fora, a nossa "sala verde", ou não fosse a natureza a maior tendência de sempre, até porque a cor do ano de 2017 eleita pela prestigiada Pantone (marca criadora de cores)  foi o tom Greenery,  a simbolizar a cor da esperança em perfeita conexão com a natureza! Manias, essa é que é essa.
     Para quebrar esta crescente tendência em modo verde- quase politicamente correcta- as cerejas lustrosas de cor rubra e voluptuosa chegaram aos pares e às dezenas, a atiçar o paladar com a sua pecaminosa doçura! É que é impossível comer apenas uma, e quando vamos apenas provar, acabamos por ficar rendidos à sua beleza viva enquanto o paladar se delicia com a intensidade do seu sabor. E vai daí, não se consegue parar de comê-las...








     Uma vibrante rodada de cerejas, servidas no gelo, bem fresquinhas,  antes de um banquete ou de um prato simples, dentro de casa ou ao ar livre, é sempre uma óptima sugestão. E o melhor de tudo é que as cerejas são recomendáveis em qualquer dieta por conterem um baixo índice glicémico, o que contribui para manter a gordura indesejada bem longe!








      Uma boa semana e não se esqueça de comer cerejas sem qualquer tipo de culpa! Valeu?

     Manuela